quarta-feira, 19 de julho de 2017

SOFRO


SOFRO

A noite destas malditas insónias
Navego pela tua pele em desejo
Como um lobo ouvindo de cio
Acordo-te calam-se as palavras
Não servem de nada neste momento
Sem ti as noites são de insónia
Contigo são quentes como o troco
Que arde numa qualquer lareira
Ama-me, pertuba-me, seduz-me
Alicia-me com a tua boca para aquecer
A alma fria que te observa
Onde as palavras são sombras inúteis
Apenas quero escrever no teu corpo
O meu nome nesta noite de insónias.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca