domingo, 27 de novembro de 2016

SILÊNCIO RASGADO


SILÊNCIO RASGADO

Rasga-me o meu silêncio
Num profundo corte
De inquietação na alma
E me penitencio na dor
Que enrolada me devora
Neste soneto doloroso
De um mar cheio de lágrimas
Na solidão de tanto silêncio
Rasga-me o peito, fere-me a alma
É o silêncio que doí, que corroí
De tantos sentimentos escondidos
Perdidos, achados, esquecidos
Não, não quero sentir a escuridão
Quero apenas sentir-me no silêncio
Para tomar conta de mim em ti amor. 

❤*•.¸.•*♡*•.¸.•*❤❤*•.¸.•*♡*•.¸.•*❤

Isabel Morais Ribeiro Fonseca