sábado, 17 de maio de 2014

"DORMIMOS"

 "DORMIMOS"

Dormimos com a noite
Falámos, amámos, sonhámos
Mesmo que eu não diga nada.
Mesmo que nunca perguntes nada.
Estarás sempre arrependido
Por não teres confiado
Confiado o teu corpo ao meu.
E haverá sempre café quente.
Flores na mesa e na tua xícara.
Que seja infinito o que nos faz bem.
As saudades não fiquem nas memórias.
Como um navio atracado no cais.
Sem rumo, sem comando.
Negando em tempestades, por mares de saudades

Isabel Morais Ribeiro Fonseca