quarta-feira, 9 de abril de 2014

"PERDI-ME"

 "PERDI-ME"

Perdi-me em tempestades temporais
De vento, chuva e neve fria
Murmurantes vozes ouvidas
No refúgio das minhas noites negras
Carregadas de esperança.
Onde carrego as dores de quem quer nascer
Afago as ondas do mar aberto
Escondido nas profundezas
Do meu corpo, da minha carne
Onde tatuas-te na minha pele o teu nome
Encontro-me nas noites frias de cansaço
Deixo- me seduzir pelos meus silêncios anônimos.
Percorro todos os gestos mudos
E infindáveis abismos laterais do teu corpo
Perdi-me em temporais, de vento....chuva.....fria.
Onde tatuas-te na minha pele....o teu nome.....de desejo ardente.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca