terça-feira, 7 de janeiro de 2014

"OLHOS"

 "OLHOS"

Os olhos aprendem a ver sem julgar
Não há vida sem morte
Não há criação sem poesia
Fiz uma porta da minha casa
Virada para o jardim dos sonhos
Vivi e vivo dentro dele e vi as rosas a florir
Quimera de esperança, nua e penitente.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca