sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018

SOU UMA ALMA


SOU UMA ALMA

Sou uma alma perdida
Nadando contra a maré
Ano após ano
Com os mesmos medos
Sou uma alma perdida
Sem sentimentos
Que vive saciando a sede
De ver e fazer sofrer
Entre os sedentos
Olhares do corpo
De tão perdida se encontra
Na sua própria de paixão
Alma esquecida que o tempo
Tratou de esconder-se
Sem dó ou piedade
Sou uma alma perdida
No meio da solidão
Sou uma sombra que caminha
Pelo vale da morte
Um ser que arranca com os dentes
As suas próprias entranhas
Que rasga os céus com lágrimas
Onde ninguém quer ouvir os meus gritos.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca