sábado, 26 de dezembro de 2015

SEDE ORVALHADA

SEDE ORVALHADA

Sede orvalhada com o sabor da tua boca
Fixa nos meus lábios, sabor perfumado
Da tua pele, onde brilha a minha pele em ti
Suspiros ao nosso encontro das nossas bocas
Como se de uma trovoada se tratasse lá fora
Onde os meus seios são uma colina de fogo
Os teus olhos são labaredas ardentes de paixão
Sussurras nos meus ouvidos doces palavras
É nos teus braços que gosto de estar, de amar
Agarraste-me nesta noite à minha cintura, a navegar
Tu és o comandante deste navio, do meu corpo
Enquanto a lua se ausenta no verbo amar
Nós somos o santuário consagrado de Deus
Onde os teus lábios, o teu carinho, o teu amor
Fizeram-me esquecer por horas o mundo lá fora
Quero derreter o gelo em fogo da nossa paixão
Em sentimentos que nos fazem ser um só corpo
Amanhecer com o teu sorriso, com as tuas dores.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca