segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

DEIXA-ME AMAR-TE

DEIXA-ME AMAR-TE

Deixa-me amar-te entre as amoras
Afagando a solidão nas tuas carícias
Na velha ponte do rio vejo as águas
A passar entre as fragas escorregadias
Os meus olhos são breves represas
Com lágrimas a transbordar de alegria
Deixa-me visitar o teu corpo com o meu
Oferecer-lhe chá de mel à tua doce alma
Deixa-me abrir os teus baús já esquecidos
Cheios dos teus sentimentos amados, dos meus
Deixa-me ver os teus olhos, eles não esqueceram
Todas as memórias já passadas com o tempo
Deixa-me acordar os teus sonhos adormecidos
Eles são tantos que já pouco nos lembramos
Deixa-me pôr a tocar aquela nossa música
Que tantas vezes dançámos nas noites de verão
Deixa-me dar-te um longo e aberto sorriso
Para que tu me abraces antes de eu dormir
Deixa-me dar-te o brilho duma tarde molhada
Onde andávamos de mão dada no Outono
Deixa-me amar-te tirando os vincos dos sonhos
Que guardaste com medo do eu pensasse
Deixa-me pintar em desenho o teu primeiro beijo
No gemido do vento que corre para o mar
Deixa-me meu amor viver no teu presente
Para que posamos juntos viver o nosso futuro.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca