sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

AMO-TE

AMO-TE

Amo-te, em cada recomeço de mim em ti
Amo-te, nas noites frias de insônia
Amo-te, nas horas que padeço de saudade de ti
Amo-te, na ânsia sinto que me tira a calma
Amo-te, na liberdade que assola-me a minha alma
Amo-te, unicamente em cada batimento cardíaco
Amo-te, em cada pedaço meu em ti
Amo-te, em cada fragmento vivo no meu peito
Amo-te, nas horas que padeço de solidão
Amo-te, no silêncio marcado, calado de dor
Amo-te, da forma mais selvagem que há em mim.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca