terça-feira, 15 de outubro de 2013

" GRITOS"

" GRITOS"

Esta dor que grita que queria alivio
Este coração que sangra.
Sem alento, sem consolo

Deste meu grito alto e sentido
Queria mandar esta dor embora.
De estar de volta ao meu silêncio
A paz que eu preciso
Grito que voa ao vento
E o vento sente e chora a minha dor


A alma silencia o grito
Preso numa agonia sentida.
Lembranças dos sorrisos
Dos olhos que já não olhamos
Do abraço e da pele que não tocamos
Do cheiro que não sentimos
E a dor que não passa.
Talvez haja uma luz, nesse túnel sem fim.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca